Fga. Haydée B. L. Zamperlini | Fonoaudióloga

Meu filho gagueja, o que eu faço?

A intervenção precoce pode facilitar e promover maior chance de superação do problema.

Publicado em 12/05/2018

Fga. Haydée B. L. Zamperlini

Fga. Haydée B. L. Zamperlini - Fonoaudióloga

Colunista
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus
Meu filho gagueja, o que eu faço?

A gagueira não é uma doença e, sim, um SINTOMA. Embora seja conhecida há muitos séculos, os antigos a consideravam como problema psicológico, por trauma ou sustos.

 

Até hoje suas causas não são totalmente conhecidas, porque simplesmente não há uma só causa e, sim, um conjunto de fatores que levam uma criança a desenvolver a gagueira.

 

A gagueira é caracterizada como uma disfluência da fala, interrupções, prolongamentos e repetições de sílabas.



Fatores que podem  desenvolver  a gagueira:



- hereditariedade;

- atraso no desenvolvimento de fala;

- fatores clínicos (acometimento cerebral)

- fatores sociais (desde que haja pré-disposição genética);

- ser do sexo masculino (fator genético ainda não comprovado);

- a disfluência permanecer por mais de 8 semanas.

 

Normalmente, de 2  a 3 anos a criança tem uma “gagueira “ passageira  que chamamos ainda de disfluência, pois elas  ainda não dominam o vocabulário necessário para expressarem o que querem e atropelam sua fala.



O que você não pode fazer:



- pedir para ela ficar calma (normalmente ela não percebe a própria tensão);

- falar que ela está gaguejando;

- criticar e corrigir sua fala;

- completar a sua fala ou interrompê- la;

- apressar a criança para falar;

- a criança perceber sua preocupação com a “gagueira”;

- falar muito rápido e difícil;

- não gritar com a criança quando ela gaguejar;

- não pressionar a criança a falar;

- não comparar com outras crianças;

- superproteger não deixando ela falar.



Quando você deve procurar ajuda?



A gagueira  deve preocupar aos pais e familiares quando a criança está consciente da sua dificuldade e está entrando em sofrimento para falar. Procure um profissional se eu filho (a) apresentar:



- o prolongamentos de sílabas no início de palavras;

- bloqueio da fala (paradas inesperadas);

- tensão na fala;

- movimentos involuntários, como piscar de olhos, tremor labial, entre outros;

- ansiedade excessiva para se comunicar;

- apresentar estas dificuldades por mais de dois meses.

 

O profissional habilitado a diagnosticar a gagueira é o Fonoaudiólogo, infelizmente outros profissionais pedem para os pais aguardarem dizendo "que  vai passar”. A intervenção precoce pode facilitar e promover maior chance de superação do problema.



A gagueira tem cura desde que seja diagnosticado por um especialista e iniciar o tratamento logo no início das primeiras manifestações.

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Sobre o colunista

Fga. Haydée B. L. Zamperlini

CRFa. 2 - 3468
 

Especialista em Audiologia pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia

Especialista em Motricidade Orofacial  pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia
Mestre em Distúrbios da Comunicação- Pontifícia Universidade  Católica de São Paulo  -  PUC-SP



Fonoaudióloga Clínica

Assessoria  Escolar