Mães & Filhos | NOTÍCIA

Depressão pós parto: sinais de alerta

Eliminar o preconceito e a culpa é o primeiro passo para receber ajuda

Publicado em 29/03/2018

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Depressão pós parto: sinais de alerta
Um dos temas mais delicados e ainda rodeado de tabus é a depressão pós parto. Abordado em nossos cursos para gestantes por entendermos que é fundamental olhar atentamente para as dores e dificuldades da puérpera (mulher que acabou de se tornar mãe), a depressão pós parto se difere do baby blues em diversos aspectos.
 
 
Recebemos, todos os dias, inúmeros comentários e dúvidas sobre o tema e procuramos a Dra. Cristina Rodrigues Arnus, psiquiatra e palestrante em nossas turmas, para esclarecer as três principais questões relacionadas ao puerpério e como elas podem estar, ou não, relacionadas com a depressão pós parto. Acompanhe:
 
 
SMPV: Meu bebê nasceu e está tudo bem, mas sinto muita vontade de chorar. Isso é normal?


DRA.CRISTINA: É super normal se sentir melancólica e ter vontade de chorar nos primeiros dias após a chegada do bebê. Isto pode acontecer com até 80% das mulheres e é o que chamamos de baby blues ou blues puerperal. É uma queixa bastante comum das mulheres causada principalmente pelas mudanças hormonais e emocionais do início do puerpério, mas mesmo assim pode pegar a família de surpresa. Vale lembrar que baby blues não é depressão pós parto e nem é uma doença, e normalmente a tristeza vai embora dentro de alguns dias sem a necessidade de nenhum tratamento.  



SMPV: Meu está já tem 2 meses e eu ainda não tenho vontade de ter relações sexuais com meu marido, é normal?



DRA. CRISTINA: A falta de libido no puerpério é uma questão delicada e individual, influenciada por fatores pessoais de cada mulher tais como alterações emocionais, físicas e contexto cultural. As mudanças que ocorrem no corpo durante a gestação podem alterar a auto estima da mulher e causar insegurança em relação ao parceiro. A sobrecarga causada pelo trabalho com o bebê e a privação do sono também podem contribuir com a diminuição do desejo sexual neste período. O medo de engravidar novamente e a própria amamentação também são fatores importantes uma vez que para aumentar o corpo produz um hormônio chamado prolactina que contribui para a queda da libido.  



SMPV: Me sinto cansada o tempo inteiro, não tenho vontade de fazer nada. Cuidar do bebê é exaustivo, mas não consigo fazer outra coisa. O que está acontecendo comigo?



DRA. CRISTINA: Temos que tomar muito cuidado com sintomas intensos como fadiga, sensação de desprazer e isolamento. Tais sintomas podem ser sinais de alerta de que algo não vai bem. Algumas vezes uma depressão pode se manifestar de uma forma diferente do que a maioria das pessoas imagina (classicamente com muito choro e tristeza). Sempre que sentir que alguma coisa está errada a mulher deve procurar ajuda e informação, só assim poderá ser encaminhada para uma avaliação e tratamento adequados se for necessário. 

 

Fale com o pediatra do seu bebê sobre como você está se sentindo e peça orientação. Caso não tenha condições de conversar abertamente com o pediatra, entre em contato com a Dra. Cristina pelo IG: @cristina.arnus. A Dra. Cristina atende na Clínica Ellas.

 
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus