Psicomotricidade | NOTÍCIA

Sinais de alerta no atraso do desenvolvimento do bebê

Ficar atento ao desenvolvimento de seu filho é a melhor forma de ajudá-lo

Publicado em 12/04/2018

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Sinais de alerta no atraso do desenvolvimento do bebê

Nos primeiros anos de vida do bebê ocorrem diversas modificações que são importantes para o seu desenvolvimento de habilidades cognitivas e motoras.

 

Conforme as etapas e processo de maturação da criança, o organismo torna-se apto a desenvolver seu processo de crescimento global de forma linear. Logo, a  carência da estimulação nos primeiros anos de vida de uma criança diminui o ritmo do processo evolutivo e aumenta as chances de transtornos psicomotores, sócio-afetivos, cognitivos e da linguagem.

 

Já está comprovado que muitos problemas relacionados ao desenvolvimento infantil ocorrem por ordem pré-natal, perinatal ou pós-natal. Alguns casos podem ser identificados precocemente e tratados de modo a evitar danos no desenvolvimento da criança.

 

Há crianças que nascem com problemas que poderão gerar limitações no desenvolvimento em diferentes áreas e com intensidades variadas, esses se diferenciam dos outros tipos de problemas pela natureza de seus sinais e sintomas, pelas formas de tratamento e pelas possibilidades de intervenção no sentido de gerar ou não deficiências nos seus portadores.

 

Mesmo em crianças muito pequenas é possível perceber se está existindo algum dano ao processo evolutivo, como sinais de alerta aos distúrbios de desenvolvimento infantil nos primeiros anos de vida observa-se alguns exemplos:

 

Motora: alteração no tônus muscular (hipotonia - redução ou perda do tono muscular -, hipertonia - tensão muscular exagerada ou permanente do músculo em repouso -, localizadas ou generalizadas), posturas anormais, atraso na aquisição de habilidades, etc.

 

Visual: ausência de reação a luz, desvio fixo de um ou ambos os olhos, quedas constantes, etc.

 

Auditiva: Ausência de reação a sons ou percepção apenas de sons muito intensos, ausência ou pobreza de emissão de sons, atraso ou impossibilidade na aquisição da linguagem, irritabilidade ou apatia constante, entre outros.

 

Mental: pobreza de contato visual, respostas inadequadas, pobres ou ausentes aos estímulos sensoriais ou motores, alterações de comportamento, irritabilidade ou apatia, indiferença às pessoas e ou ao meio, ocorrência de crises convulsivas, condutas estereotipadas, tiques ou manias, etc.

 

Em relação à prevenção primária, salienta-se a assistência pré-natal, a prevenção de fatores de risco perinatais, a orientação aos familiares quanto ao aleitamento materno, o fortalecimento de laços afetivos que propiciam a integração e bem-estar familiar.

 

Na prevenção secundária, a detecção de problemas peri e neonatais, identificação de fatores presentes no período inicial de desenvolvimento como os distúrbios de comportamento, condições orgânicas e psicológicas e participação dos pais ou responsáveis em programas de atendimento. 

 

A prevenção terciária exige atenção continuada aos fatores de risco persistentes e aos seus efeitos no desenvolvimento da criança, identificação e diagnóstico precoce das possíveis deficiências e envolvimento familiar. 

 

Identificar é urgente e necessário por várias razões, pois depois de detectado o problema, os pais serão orientados pelos profissionais quanto a conduta e a melhor intervenção a ser utilizada, diminuindo os graus de inadaptação resultantes da patologia que fora diagnosticada, minimizando os efeitos cumulativos de problemas de desenvolvimento da criança. 

 

A identificação precoce é uma alternativa indispensável quando não houve prevenção pré, peri e pós-natal, podendo garantir um controle de desenvolvimento infantil através de estudos do crescimento, da nutrição, da maturação social e do desenvolvimento linguístico e psicomotor.

 

O estímulo deve acontecer logo nos primeiros meses, tornando menores as probabilidades de se intensificar problemas, minimizando assim danos a evolução da criança, danos esses decorrentes de fatores ambientais e orgânicos, tanto de ordem física como psicológica.

 

Ficar atento ao desenvolvimento de seu filho é a melhor forma de ajudá-lo!

 
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus